History
Icon-add-to-playlist Icon-download Icon-drawer-up
Share this ... ×
...
By ...
Embed:
Embedded player size:
Embedded player preview:
300x300_682056
itunes pic
Icon-play-large
A generosidade do artista
by ANONIMO
Time-length-icon 0m 0s
Icon-like
Publish-date-icon August 4, 2007
Icon-add-to-playlist Add to Playlist

Subscribe-itunes-badge
EPISODE DESCRIPTION

Ah! Essa tal de "internet"!!! Esse oceano que nos traz as pessoas com suas marés, suas brumas e que acabam comungando conosco na praia. São tantas ondas e tantas pessoas! Nos causam furor as vezes. As vezes nos trazem o crescimento. Foi numa dessas brumas que veio a poeta paranaense Bárbara Lia. Mulher que não se encaixa numa solitária linha de escrita. Bárbara é grande e nata expectadora do universo que tange o teu redor. Além da grandeza que lhe concerne, Bárbara é generosa. Tem faltado artistas com sua generosidade hoje em dia.

De cá do baixo de onde me encontro posso assumí-la como minha mais nova amiga.

Abaixo transcrevo tua crítica - solene - a minha poesia. Ave Bárbara...

----------------

A DANÇA DO POEMA NO ESCURO MILÊNIO

Rogério Santos faz versos que narra o seu tempo. Sua poesia não colore as paredes do agora. Houve um tempo que o homem narrava sua aldeia. Todos os muros caíram e os poetas perplexos tentam reunir o espanto em seus versos que não são mais de jardins, mas, de cidades desmoronadas. Tempos duros demais para o poema:

Infelizmente eu escrevo
Sobre uma evidência
Que me conduzirá à garganta da noite.

A ausência do nítido norte, que era, na verdade, uma ilusão. Fui criança no tempo em que era possível maquiar a vida dentro dos quintais. Esconder os segredos da humanidade fera. Isto não se faz mais possível. Então, os poetas de hoje não ouvem estrelas, eles as perscrutam, como um sábio buscando segredos. Nem sabem muito bem que caminho seguir, pois as bússolas foram estilhaçadas...
...
o chão sumira
sob a sola suja dos teus pés
que apontavam todas as direções
como um carrossel
...
E neste caos sem volta, as vozes dos poetas não flanam acima como outrora, vão entre as gentes, como ambulantes que anunciam cada qual sua verdade, mesmo que apontassem o paraíso ali na esquina, de nada adiantaria, pois não há mesmo como se acreditar em nada.

BÁRBARA LIA
Curitiba (PR).
04.08.2007

COMMENTS
You must be logged in to post a comment.
ABOUT
ANONIMO Icon-followers 1 Icon-episodes 13
GO MOBILE
Check us out on mobile! Get the PodOmatic Podcast Player for iOS and Android.
App-store-badge Google-play-badge
Help | Terms | Privacy | Partners | PRO Support
© 2015 PodOmatic, Inc.